Loading...

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz Olhar Novo!!!! (Carlos Drummond de Andrade)



O grande barato da vida é olhar para trás e sentir orgulho da sua história. 
O grande lance é viver cada momento como se a receita da felicidade fosse o AQUI e o AGORA. 
Claro que a vida prega peças. É lógico que, por vezes, o pneu fura, chove demais... 
Mas, pensa só: tem graça viver sem rir de gargalhar pelo menos uma vez ao dia?
Tem sentido ficar chateado durante o dia todo por causa de uma discussão na ida pro trabalho?
Quero viver bem. 
O ano que passou foi um ano cheio. 

Foi cheio de coisas boas e realizações, mas também cheio de problemas e desilusões. Normal. 

Às vezes se espera demais das pessoas. Normal. 

A grana que não veio, o amigo que decepcionou, o amor machucou. Normal.

O próximo ano não vai ser diferente. 

Muda o século, o milênio muda, mas o homem é cheio de imperfeições, a natureza tem sua personalidade que nem sempre é a que a gente deseja, mas e aí? Fazer o quê? Acabar com seu dia? Com seu bom humor? Com sua esperança?

O que eu desejo para todos nós é sabedoria!

E que todos saibamos transformar tudo em uma boa experiência! Que todos consigamos perdoar o desconhecido, o mal educado. Ele passou na sua vida. Não pode ser responsável por um dia ruim... 

Entender o amigo que não merece nossa melhor parte. Se ele decepcionou, passe-o para a categoria três, a dos colegas.
Ou mude de classe, transforme-o em conhecido. Além do mais, a gente, provavelmente, também já decepcionou alguém.

O nosso desejo não se realizou? Beleza, não tava na hora, não deveria ser a melhor coisa pra esse momento (me lembro sempre de um lance que eu adoro: CUIDADO COM SEUS DESEJOS, ELES PODEM SE TORNAR REALIDADE).

Chorar de dor, de solidão, de tristeza faz parte do ser humano. Não adianta lutar contra isso. Mas se a gente se entende e permite olhar o outro e o mundo com generosidade, as coisas ficam diferentes.

Desejo para todo mundo esse olhar especial.

O próximo ano pode ser um ano especial, muito legal, se entendermos nossas fragilidades e egoísmos e dermos a volta nisso. Somos fracos, mas podemos melhorar. Somos egoístas, mas podemos entender o outro.

O próximo ano pode ser o máximo, maravilhoso, lindo, espetacular... Ou... 

Pode ser puro orgulho!

Depende de mim, de você!

Pode ser sim.

E que seja!!!

Feliz olhar novo!!!

Que a virada do ano não seja somente uma data, mas um momento para repensarmos tudo o que fizemos e que desejamos afinal sonhos e desejos podem se tornar realidade somente se fizermos jus e acreditarmos neles!


domingo, 5 de dezembro de 2010

Os benefícios da Arte Terapia como auxílio pedagógico

Os cursos de formação de professores procuram enfatizar atividades didáticas que privilegiem a ação do aluno e, nesse sentido, atividades artísticas são excelentes recursos, uma vez que a arte vem ocupando significativo espaço na formação humana, desde o início das civilizações até a atualidade.
Em decorrência, cursos específicos de especialização em arte terapia são oferecidos não apenas a professores, mas a profissionais que trabalhem em diferentes contextos, a fim de que possam adicionar à sua prática o uso terapêutico e profilático de recursos criativos, sejam plásticos, poéticos, musicais, de expressão corporal... Nesse sentido, não se trata de lançar mão da arte pela arte, ou da arte apenas como recurso para facilitar a aprendizagem, mas sobretudo da arte integrada a outros recursos expressivos, numa relação de ajuda.
Sabemos que a arte é um elemento muito importante na vida de cada pessoa e que o educador, de modo especial, pode munir-se, através da arte, de uma riqueza inestimável de recursos que auxiliem sua tarefa educativa, principalmente a partir do momento em que se conscientize de que pode e é interessante que trabalhe, também, sua própria onipotência, reestruturando a concepção de saber, que não se restringe ao lógico-matemático, mas abarca todos os tipos de inteligência e lhe possibilita a busca de diferentes maneiras de transmitir a mesma mensagem, aproveitando todas as possibilidades que o repertório de conhecimentos e emoções do
aprendente/interlocutor traz.
Assim, com lucidez, compromisso e responsabilidade, práticas e vivências são utilizadas para trabalhar os bloqueios de aprendizagem e a construção dos conceitos. Dessa forma, o docente não vai negar a inteligência do outro, mas dispor-se a percebê-la, a identificar qual canal prioritário é utilizado para conhecer o mundo, analisá-lo, aprender. Vai valorizar o aprendente e apostar na sua aprendizagem, investir na sua formação, utilizar a expressão artística para estimulá-lo a exprimir, sem receios, sem censuras, sem se importar com talento ou capacidade criativa, seus sentimentos e emoções, fazendo, posteriormente, a interpretação do que pode exprimir através da criação artística.
Docentes/Ensinantes já despertos para tais possibilidades refletem, dirigem o olhar, também, para suas próprias vivências: analisam os respectivos sentimentos, procedimentos, reações... procurando enxergá-los com equilíbrio, pesando as adequações e inadequações, flexibilizando, dando-se oportunidade de investir, falhar, acertar, negociar... aceitando-se como seres em transformação, eternos aprendizes que interagem com o aluno, ensinando e, ao mesmo tempo, aprendendo. Nesse processo, se enriquecem e, utilizando o recurso da arte como mediadora do diálogo interno, da visão de mundo, de professor, de escola e de si mesmos se aperfeiçoam, ampliam a própria visão e possibilidades, se embelezam.
Durante esse processo amadurecem, revêem todo o conteúdo que desenvolvem em suas aulas, analisam, refletem sobre os entraves encontrados, não como vítimas do processo, mas como co-autores, e relativizam, quer seus acertos, quer as falhas, percebendo que a ótica pela qual analisavam o mundo era mais rígida e deixava de beneficiar seja a si mesmos , seja aos seus interlocutores. Interessando-se pela arte terapia, utilizando seus recursos, estão flexibilizando e dando oportunidade ao aparecimento de perspectivas que antes nem percebiam ou, quando percebiam, desconsideravam.
Professor/Ensinante/Psicopedagogo/Arte Terapeuta deve pesquisar constantemente, buscar fundamentação teórica para embasar sua aprendizagem e seu trabalho, para poder discriminar suas possibilidades de cooperação e complementaridade, bem como contemplar um outro lado seu e perceber a transformação pela qual está passando; perceber as vivências que lhe estão permitindo trabalhar a auto-imagem, bem como a percepção de que é positivo investir em comportamentos que não polarizem, mas ajudem a relativizar e amadurecer.
É importante que cada educador/arte terapeuta esteja desperto, atento à dinâmica da escola como um todo e da sala de aula em particular, cônscio de que é fundamental para o processo de identificação, valorizar personagens com traços de sabedoria e perspicácia, que usem estratégias para convencer os oponentes, vencendo pela sutileza e não pela força física; ciente de que nenhum herói sozinho dá conta de toda a diversidade, mas que, de acordo com a situação, cada uma das forças heróicas (prazer, competição, força, sabedoria, colaboração, complementaridade) deve ser resgatada/convocada, para agir na superação dos obstáculos, na transformação e evolução da própria atuação.
Nesse sentido as atividades de arte terapia estimulam a desinibição, o autoconhecimento, a criatividade, levando os participantes a uma sensação de integração com o mundo que instiga à resolução de conflitos pessoais, à melhoria do relacionamento social e desenvolvimento harmônico da personalidade.
Finalmente, a arte terapia pode ser utilizada como elo de interação entre os vários campos do conhecimento, colaborando sobremaneira na construção da interdisciplinaridade no âmbito da escola, elaborando a comunicação entre as possibilidades e limites próprios da ciência e a expressiva liberdade de criação da arte; fazendo ligações entre anseios gerados pelo mundo atual com o mais remoto passado, enfim promovendo o desenvolvimento do potencial humano através de situações que favoreçam a leitura do mundo de maneira ampla, rica e profunda.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

A Prepotência do Amor


O grande problema nosso, quando estamos apaixonados está na forma de como impomos os nossos sentimentos para o outro. Isso é facilmente notável quando o relacionamento acaba. “Ninguém te amará da forma como eu te amo”, “Ninguém é capaz de fazer as coisas que eu sou capaz de fazer por você.” #É mesmo???# E quem pode garantir isso? Não conhecemos todas as pessoas do mundo, tampouco somos capazes de medir a capacidade das várias maneiras de amar das outras pessoas. Porque o amor na verdade é uma surpresa. Acontece por acaso. Quem sabe por sincronismo. Faz-nos conhecer o melhor lado de uma pessoa (e às vezes o pior. rs). O amor pode estar próximo ou distante, ser certo ou confuso. Pode ser forte e concreto, ou insuficiente diante das necessidades do outro. Vai saber... O amor é um mistério, uma loucura deliciosa, quando existe em alto grau a libido... Chega a desequilibrar tudo que achávamos estar sob controle. É algo que nos mostra também que somos ótimos idiotas (de uma forma até boa), fazendo besteiras e achando isso a coisa mais normal do mundo. Pois para tudo isso se põe a culpa no amor. Uma boa experiência: não devemos impor o amor a ninguém! Ofereça-o apenas, se for o melhor para nós! Há mil formas de errar ao amar alguém, mas existem outras mil e uma maneiras, tendo disciplina, para acertar e não dar continuidade à repetição do que foi aprendido/presenciado, por exemplo, ao modelo dos nossos pais.# (Bosco Freire de Andrade)

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Ser e fazer acontecer!!!!!

Bom dia meus queridos amigos!!Fico aqui pensando em como o inconsciente, nos leva a ser desta ou daquela maneira.Quando nos desconhecemos, não buscamos nas entranhas de nosso ser o porque de nossas atitudes, quando não aprendemos com os erros ou simplesmente vivemos num mundo onde nada nem ninguém nos serve de espelho, para que possamos ver como realmente somos, estamos fadados a reproduzir comportamentos padrões, sem estar aberto para novas formas de ser e fazer a vida acontecer.Quando os paradigmas do preconceito forem rompidos, e as pessoas passarem a procurar pelo "ser" no lugar de "ter", teremos encontrado caminhos menos tortuosos  e mais leves e não estaremos condenados a insustentável leveza do ser.Tenham um bom dia.


terça-feira, 16 de novembro de 2010

domingo, 14 de novembro de 2010

Ainda sobre a Felicidade!!!

Boa noite queridos amigos!

Estava tentando postar um vídeo sobre a felicidade,no aqui e agora, e eis que meu querido Bosco me envia um texto belíssimo sobre o mesma tema (ahh... essa nossa inexplicável sintonia) e claro repasso a vocês com meu carinho:
#O fato de ser feliz ou não, só depende de nós. Somos a única pessoa da qual depende a nossa felicidade. Devemos firmemente nos terminar ser feliz em cada situação e em cada momento da nossa vida, pois se nossa felicidade depender de alguma pessoa, coisa ou circunstância, estamos com sérios problemas a todo os instantes. Tudo o que existe nesta vida muda constantemente: o ser humano, as riquezas, o corpo, o clima, o humor, os prazeres, os amigos, a saúde física e mental. E assim poderia citar uma lista interminável. Nós decidimos ser feliz, e ponto final! Se tenhamos hoje a casa vazia ou cheia: podemos ser feliz assim mesmo. Se sairmos acompanhados ou a sós: podemos ser feliz assim mesmo, e ponto final! Se o emprego é bem remunerado ou não: podemos ser feliz! Somos felizes por nós mesmos. As demais coisas, pessoas, momentos ou situações, chamamos de "experiências que podem ou não nos proporcionar momentos de alegria e tristeza”. Quando alguém que amamos nos deixa, podemos continuar feliz mesmo num momento inevitável de tristeza. Aprendemos com as experiências passageiras e vivamos as que são eternas como amar, perdoar, ajudar, compreender, aceitar, consolar. Há pessoas que dizem: “hoje não posso ser feliz porque estou doente, porque não tenho dinheiro, porque faz muito freio ou muito calor, porque alguém me insultou, porque alguém deixou de me amar, porque eu não soube me dar valor, porque as pessoas não são como eu esperava, porque meus filhos não me dão tanta importância, porque meus amigos não me fazem felizes, porque minha aposentadoria é pouca...”, e por aí vai. Vamos amar a vida que temos, mas não porque nossa Vida é mais fácil do que a dos outros. Vamos amar a Vida porque decidimos ser feliz como indivíduos nos responsabilizando pela nossa própria felicidade. Quando tiramos essa obrigação das costas das outras pessoas e das coisas materiais, ficamos livres do peso de sermos dependentes das coisas de fora. A nossa Vida fica muito mais leve. E é dessa forma que conseguimos nos relacionar melhor conosco e com as pessoas e coisas ao nosso redor. Não devemos deixar nas mãos de ninguém uma responsabilidade tão grande quanto a de assumir e promover a nossa própria felicidade! SEJAMOS FELIZES mesmo que faça calor, mesmo que estejamos doentes, mesmo que não tenhamos dinheiro, mesmo que alguém tenha nos machucado, mesmo que alguém não nos ame ou não nos dê o devido valor. “Agradeçamos ao Universo/Deus/Espírito Maior que nos dá a serenidade para aceitar as coisas que não pode mudar, coragem para modificar aquelas que podem ser mudadas e sabedoria para conseguir reconhecer a diferença que existe entre elas.” AMÉM! (Bosco Freire). - Abraço.

Corajosamente Feliz

Gostamos de gente que também nos goste. Gente que vibra, que não tem de ser empurrada, que não seja necessário dizer o que tem que fazer, porque já faz. Que cultiva a esperança sempre com Fé, até quanto a incerteza se apodera da própria realidade. Gente com capacidade para assumir as consequências de suas ações, que arrisca o certo pelo incerto para ir à determinação, e que se permite abandonar os conselhos insensatos, deixando as soluções nas mãos do melhor que se nos acontece. Gente que é simples e justa com todos e consigo mesma, gente que agradece pelo novo dia às coisas boas que existem da vida, vivendo cada a segundo com bom ânimo, dando o melhor de si, deixando sempre a vida se nos acontecer para o que for de mais bem, distribuindo alegria, oferecendo ajuda generosamente, mas aceitar a retribuição, sem sugar ou esperar, obrigatoriamente, algo em troca. Gente capaz de criticar CONSTRUTIVAMENTE e DE FRENTE, mas sem se invejar ou ferir, ou bajular. Gente que possui sentido de justiça. A estes que chamamos de Pessoas do Bem. Gosto de gente que sabe a importância do contentamento e do bom humor, e os pratica, seja até por meio de piadas, que nos ensina a arquitetar a vida com a criatividade da iniciativa. Que tem o dom de estar constantemente animada e ser contagiante. Gente sincera e franca, capaz de se opor com argumentos razoáveis. Gente fiel e persistente que não desiste quando se trata de alcançar o objetivo. Encanta-me essa GENTE de critério, que não se envergonha em reconhecer que se equivocou ou que não sabe algo. Que também ao aceitar os seus erros, se esforça genuinamente por querer melhorar. Gente que combate contra adversidades às buscas de soluções. Que pensa e medita internamente para valorizar seus semelhantes, não por um estereótipo social. Que conversa, e não pergunte o que se tem e o que deixa de se ter. Gosto de gente que não JULGA, nem deixa que outros as julguem....# (Bosco Freire).

"Nunca escreverei uma palavra para lamentar a Vida. Meu verso é água corrente, é tronco, é fronde, é folha, é semente, é Vida. (Cora Coralina).

Bosco Freire de Andrade é um querido amigo que surgiu inesperadamente em minha vida trazendo a sensação de que passamos a vida inteira de mãos dadas.Pelas idéias, pela alegria, pela coragem de viver feliz o presente momento....Leiam e desfrutemmm...Bom domingo a todos!!!

sábado, 6 de novembro de 2010

Primeiro, você precisa saber o que quer!

Este artigo foi enviado  a mim por Osni Alves, grande colaborador na construção de novas e boas idéias.Leiam com atenção, elaborem e encontrem seus objetivos.

Agende uma consulta!!!

Rua Fernando Amaro, 737 - Alto da XV - Curitiba - PR phoenix@phoenixespacoholistico.com.br
(41) 3077-8397


Primeiro, você precisa saber o que quer!


Existe uma piadinha sobre um sujeito que entrou no elevador de um edifício e, ao ser questionado pelo ascensorista sobre para qual andar ele desejava ir, respondeu: - Para qualquer um, senhor. Já estou no prédio errado mesmo...

Ou seja, quando não sabemos onde estamos e nem para onde estamos indo, qualquer lugar serve! E por mais absurda que possa parecer essa analogia com o quanto algumas pessoas estão perdidas quando se trata de seus próprios desejos, pode acreditar que não é! Muitas vezes, o desejo é tão amplo e genérico que a pessoa não consegue fazer escolhas, não consegue se sentir satisfeita com nada do que vive e a impressão que tem, na maior parte do tempo, é a de que existe um buraco dentro dela que se torna cada dia maior e mais difícil de ser preenchido. Até faz novos contatos, conhece pessoas legais, inicia relacionamentos interessantes, experimenta momentos que lhe parecem bastante reais, mas... logo depois a sensação de que nada daquilo faz sentido retorna de forma ainda mais avassaladora.

Algumas vezes também acontece de estar vivenciando um encontro realmente especial, no qual ela se sente, enfim, parte de um todo que se encaixa, que finalmente lhe devolve aquela certeza de que depois da tempestade vem mesmo a bonança. No entanto, sem mais nem menos, de repente, é o outro que simplesmente se desencanta e vai embora. Ou pior do que isso: sem sequer dizer o motivo ou dar qualquer explicação a que todo ser humano pensante teria direito, desaparece feito nuvem. E de novo, mais uma vez, a pessoa é remetida àquele lugar infernal onde a única resposta é que tudo se escafedeu! Assim, ridiculamente assim.

Se você já passou por isso, sabe o quanto é péssimo esse período da existência em que a gente passa a ter medo de falar, de se expressar, de respirar errado, de ir rápido ou devagar demais. Enfim, passa a acreditar que não sabe o que fazer para não estragar tudo, ou não deixar as coisas piores do que já estão... Só que o problema é justamente esse: falta de posicionamento, de clareza, de percepção de seus recursos internos. Muito provavelmente, está faltando planejamento, uma rota detalhada que aponte o caminho pelo qual você realmente deseja seguir. E assim, perdido, você passa a entrar de prédio em prédio, de elevador em elevador, descendo em diversos andares, sem nunca encontrar a porta, a sua porta!

Para viver o amor que você deseja, as experiências que sempre quis e conseguir aproveitar o melhor da vida, você precisa, antes de mais nada, saber o que quer. Refletir, questionar-se, perceber-se, aprender a diferenciar o que são seus verdadeiros sentimentos e o que não passa de ecos gritantes de sua ansiedade é fundamental para desenhar o mapa que o levará até o seu tesouro mais precioso. Em vez de desperdiçar seus dias e suas flechas atirando para todos os lados, pare! Aquiete-se! Ouça seu coração, sua intuição. Olhe para os lados e vá descobrindo o que realmente faz sentido para você, o que realmente te faz feliz. O resto são apenas armadilhas. Mantenha-se atento e focado naquilo que quer e desvie dos perigos que, na maioria das vezes, são nossos próprios medos transformados em dificuldades.

E assim, sem se distrair, da próxima vez que for questionado sobre para qual andar deseja ir, você saberá exatamente o que responder. Daí pra frente, a surpresa fica por conta somente de tudo de bom que poderá experimentar...

Este artigo foi escrito por:

Dra. Rosana Braga
Consultora

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Começar de novo..........

"Já errei muitas vezes o caminho, recomecei tudo de novo, pois assim sou cada vez mais apaixonado pela VIDA... e descobri que felicidade não é ter uma vida perfeita, mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância, as perdas para refinar a paciência, as falhas para esculpir a serenidade, obstáculos para abrir as janelas da inteligência... jamais desisti de mim, das pessoas que amo, de ser feliz, pois acredito piamente que minha Vida é um espetáculo imperdível... Mas... esta lista não termina.... pois sou ainda... um ser inacabado"... # Embora não pareça... as pessoas mais preparadas para serem felizes são justamente as que estão sempre começando, mesmo parecendo que este começo e recomeço as façam infelizes..., não é isso que acontece. Infelizes são as pessoas isentas de emoções. As que não têm altos e baixos.#(Bosco Freire de Andrade)

Recomeçar sempre, com mais segurança, mais sabedoria...Deixar que o coração e a razão entrem em equilíbrio e usufruam das experiências vividas na condução de novos comportamentos.
Quando tudo parecer obscuro e sem saída, não desista, procure ajuda, há sempre uma nova forma de ver e fazer a vida acontecer.

Rua Fernando Amaro, 737 - Alto da XV - Curitiba - PR
phoenix@phoenixespacoholistico.com.br
(41) 3077-8397
Phoenix Espaço Holístico

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Pessoas que Amam Demais



Respondamos a essas perguntas:

Você sente que é responsável pela satisfação das necessidades de outra pessoa? Seus sentimentos, ações, escolhas, vontades, bem-estar e destino? 

Sente-se culpado pelo sofrimento alheio? 

Você costuma dizer "sim" quando queria dizer "não"? 

Está mais preocupado com a satisfação das necessidades do outro do que com a sua?

Procura constantemente provar aos outros que é bom o suficiente? Tem dificuldade em aceitar a possibilidade de erro? 

Procura constantemente a aprovação dos outros para suas atitudes?

Você submete-se a abusos para não perder o amor de outras pessoas? 

Talvez, as respostas destas perguntas nos levem a montar um histórico de nossas vidas, onde encontraremos muitas lembranças das sensações provocadas por essas atitudes. Ou então, com certeza já ouvimos falar destas histórias de amor, amizade, sociedade... Onde uma das partes está passando por alto grau de sofrimento, por ter se doado demais e não ter obtido o justo reconhecimento ou retribuição. Essas pessoas no auge de sua entrega, não percebem a diferença entre dar o melhor de si e perder sua própria identidade. Quando deixamos de mostrar o que nos incomoda, quando dizemos sim a tudo, ou nos espelhamos nas atitudes do outro, a tal ponto de nos tornarmos uma extensão deste, vamos deixando de mostrar o que inicialmente atraiu esse relacionamento. Na contra-mão destas afirmações, quando nos impomos e deixamos de ouvir e ver o outro, reconhecendo-o em suas necessidades e anseios, criamos barreiras, muitas vezes intransponíveis, para a obtenção de um relacionamento satisfatório.

Quando estamos no auge de nosso envolvimento, não percebemos o quão invasivos ou nulos nos tornou essas atitudes, apenas nossa entrega total ou o quanto nos sacrificamos e fizemos pelo outro, fica perceptível. E como nossa felicidade está depositada nas reações do ser amado, vivemos angustiados e infelizes, muitas vezes com medo, sem saber identificar o porquê destas ansiedades.

Nossa capacidade de entrega deve estar baseada dentro das limitações de nossos sentimentos, ou seja, para amar integralmente ao outro, devo aprender a me amar primeiro; para aceitar ou recusar opiniões alheias, devo ter conteúdo e convicções pessoais e principalmente nosso agir deve estar equilibrado entre os ganhos e perdas em que nossas atitudes nos conduzem. Ao olharmos primeiro para dentro de nós, entendendo nossas necessidades de afeto, aceitação e compreensão, aprendemos a respeitar e entender o outro em seus anseios e limitações, criando um ponto de equilíbrio nas relações.


Como obter esse equilíbrio?

Na busca do autoconhecimento, pois quando aprendemos a revelar nosso melhor, compreender e superar nossos medos, e nos responsabilizarmos exclusivamente pelas nossas escolhas, estaremos no comando de nossas vidas e entre acertos e erros desenvolvendo e nos tornando a cada dia um ser humano melhor.
Quando algo não vai bem...
E talvez você precise de ajuda... O que fazer?Aonde ir?
Para amadurecer, aprender a viver melhor, temos que usar nossos recursos, buscar o jeito certo de formatar nossas energias, desenvolver nosso mundo interior, criar o lugar e a maneira que desejamos viver. Esse é um direito nosso. Todos somos livres e vivemos no mundo que criamos.Se ele não está bom, temos o recurso de mudá-lo,revendo nossas atitudes,observando os fatos da vida,experimentando até conseguirmos um resultado melhor. A felicidade é conquistada assim.
A arteterapia pode ajudá-lo. Os momentos terapêuticos incluem a conversa, a análise do que sentimos e pensamos utilizando o recurso da expressão artística sem preocupação estética, mas unicamente como veículo para traduzir em formas o que sentimos e não conseguimos expressar e, então, novamente conversamos e vamos procurando novas e melhores posturas para as situações de nossas vidas.
ARTETERAPIA - ESPAÇO HOLÍSTICO PHOENIX (41) 3077-8397
Agende sua consulta

O que é arteterapia?



"O homem se torna humano por sua vontade, por seu compromisso com  a escolha."
 
   Criar é expressar nossa existência, as emoções humanas mais profundas e a Arteterapia vai lidar com este processo criativo.
   Criar abrange a habilidade em usar o cérebro para alterar, renovar, recombinar os aspectos da vida. Implica em sentir o mundo com vitalidade e fazer um novo uso do que se percebeu. É expressar nossas vivências, sonhos, conforme os sentidos e descobrir novas formas segundo as quais uma sociedade pode ser construída.
   A Arteterapia é o uso da arte como terapia. Embora seja uma atividade milenar, se desenvolveu há cerca de 60 anos. Consiste na criação de material sem preocupação estética e sim apenas de expressar sentimentos. Esta catarse é muito sadia e faz com que o indivíduo se reorganize internamente. A arte é por si só uma atividade regeneradora.
   A arte é um canal para um nível não verbal de percepção que leva ao processo de individuação. Neste processo somos forçados a nos confrontar com diversas facetas de nosso íntimo que estão geralmente em conflito com nossas idéias e comportamento consciente.
   É uma terapia que trabalha através da estimulação da expressão e do desenvolvimento da criatividade. Favorece:
. A liberação de emoções, de conflitos internos, de imagens perturbadoras do inconsciente.
.  Contato com ansiedades, conteúdos reprimidos, medos
.  Coordenação motora
.  Mais e melhores soluções no dia a dia
.  O processo de individuação
.  Equilíbrio físico/ mental/ espiritual .
São muitos os instrumentos da arteterapia:
Os primários: Água, argila, areia, corpo
Os demais: Desenho, pintura, colagem, sucata, escultura (massa, papel marchê, durepox, etc.) teatro, dança, literatura, enfim todas as formas de arte.
Existem duas linhas:
A interpretativa - onde se interpreta todo material produzido.
E a não interpretativa - onde o terapeuta não interpreta, embora entenda o conteúdo da criação. A arte por si só é regenerativa, pois libera todos os nossos "fantasmas". 
A arteterapia pode ser aplicada:
À empresa ou instituições - neste caso o trabalho visa o desenvolvimento da criatividade, desenvolver o potencial pessoal e a diminuição do stress.
À escola - trabalha o desenvolvimento da criatividade, e o processo que o criar envolve: medo da expressão, do julgamento, ansiedade, auto estima, segurança em grupo ...
Ao consultório - vai trabalhar com o processo criativo e o produto da expressão, entendendo melhor o paciente e ajudando-o no processo de integração de si mesmo, o equilíbrio.
 
Pode atender:
Crianças, adolescentes, adultos, terceira idade, excepcionais em geral  (individual ou grupo) .
  Temas tratados na arteterapia:
·         Auto-estima,
·         Amor incondicional,
·         Valores, 
·         Expressão dos sentimentos bloqueados,
·         Perdão,
·         Capacidade de entrega, 
·         Afeto / ternura, agressividade, 
·         Autocrítica,  
·         Limites, 
·         Sexualidade / sensualidade, 
·         Medo, 
·         Produtividade, 
·         Ideais de vida, 
·         Criança interior,
·         Maldade x bondade, 
·         Masculino x feminino
·         Natureza instintiva
·         Intuição.